quarta-feira, 1 de março de 2017

Dito Pituba: o artista sacro isabelense e sua obra reconhecida nacionalmente


O artista Benedicto Amaro de Oliveira (1848-1923), mais conhecido como “Dito Pituba”, nascido em Santa Isabel-SP, e é considerado um dos maiores santeiros populares do Brasil. O trabalho de Dito Pituba representa a cultura caipira como desdobramento da sociedade bandeirista e pode ser admirado em grandes instituições, como o Museu de Arte Sacra de São Paulo (a cinco minutos a pé do metrô Armênia) ou de Antropologia no Vale do Paraíba (que fica em Jacareí) e o Museu de Aparecida. Além de ter encontrado encontrado muitas pesquisas na internet sobre o trabalho desse artista de origem isabelense. Sem contar uma imensa lista de igrejas nas quais seu trabalho esta espalhado pelo Brasil. As quais, algumas imagens são chamadas de "paulistinhas".
Começou seu estilo de arte com barro cru e cosido, aos vinte e dois anos, depois foi para a madeira gesso. Com isso produziu imagens de santos, oratórios e divinos, com cerca de 15 a 20 centímetros. 
Ele ajudava desde cedo seu pai em uma olaria, no Bairro do Geremuniz, onde nasceu. Lá produzia tijolos, telhas, manilhas e panelas de barro. E com seu conhecimento em artesanato passou para a arte sacra. Com a ajuda de seu genitor preparava o barro e a tinta de urucum que misturado com aívaiade se apresentava grossa e mais apropriada para o acabamento de suas obras. Os oratórios
eram feitos com pinho europeu, usando caixas de embalagens vindas de Portugal. Um prego fixado na base das imagens de madeira era preso de baixo para cima, uma característica sua para disfarçar a presilha.
Suas obras tinham vendedores por todo o Vale do Paraíba e sul de Minas Gerais que visitavam as fazendas. Sem contar que também recebia encomendas.
Entre os materiais de suas obras estão barro, madeira e gesso. Ele foi um dos últimos santeiros que adotavam o estilo "Paulistinha". O termo se refere a um tipo de imaginária sacra feita de barro e era de produção popular exclusiva do estado de São Paulo, já que nunca foram encontrados exemplos desse estilo em outros locais do Brasil.
As principais características dele são o tamanho reduzido, que varia entre 15 e 20 centímetros de altura, que eram colocadas dentro ou fora de casas. Mesmo possuindo características portuguesas, a simplicidade dos traços evidencia a diferença entre o paulista e o lusitano. 
Sua obra integra o acervo de muitos museus, coleções particulares como já foi falado antes. Conservados de uma ótima maneira imagens, oratórios e arabescos feitos por esse mestre. E é possível notar quais são suas obras por sua iniciais em letras góticas inclinadas (B. A. O.).
A Câmara Municipal de Santa isabel homenageou o artista conferindo seu nome a uma rua do bairro do Cruzeiro. Dito Pituba trouxe consigo a arte barroca européia, com características de nossa região.
Há um acervo em Santa Isabel com obras do artista, mas é fechado para a visitação. Entre uma das exposições sobre o artistas esta Uma Assinatura na Arte Anônima: dito Pituba, que ocorreu em 2013.
Entre as obras que podemos ver sempre no Museu de Artes Sacras de São Paulo estão São Benedito, Nossa Senhora Com O Menino, Senhor Morto, Cristo da Ressurreição, Nossa Senhora Aparecida e o Divino Espírito Santo. O museu fica localizado na Avenida Tiradentes, 676 - Luz, São Paulo. Os ingressos são vendidos a preços populares.
(ATUALIZADO: 04/11/2017)

Nenhum comentário:

Postar um comentário